quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Presentes de Natal


Nunca fui muito fã de Natal. Exceto quando eu era pequena e acreditava em Papai Noel. Sempre passo o Natal com a família, cada ano com uma parte dela. Nem sempre com meus pais, mas sempre com alguma parte da família. Esse ano jantamos na casa da minha tia. Um banquete, com castiçal e tudo.

Mas o que me agradou esse ano foram os presentes. Por que? Não sou consumista, não sou interesseira. Os presentes não foram caros, não foram chiques. Mas esse ano foram especiais. 

Primeiro ganhei uma havaiana de amigo-oculto [já falei sobre isso no post anterior]. Depois ganhei uma agenda muito fofa da Olívia. Meus avós me deram coisinhas que trouxeram da viagem e um conjunto calça e casaco muito lindo que vou usar demais no inverno, e meu tio me deu uma blusa. Na véspera do Natal, teve amigo-oculto entre a família e eu amei meus presentes! Quem me tirou foi minha prima LINDA! Ela me deu um bule com xícara fofíssimo de porquinho. A xícara encaixa no bule e forma uma tampa para ele. Era tudo que eu precisava! O bule é do tamanho certinho pra fazer o chá sem desperdiçar e sem ter que me desdobrar pra lavar. Além disso, ela me deu um CD do Nirvana Unplugged in New York, que, depois de muito esforço, eu consegui trocar pelo DVD. 



No dia 25, chegou mais um presente, o melhor de todos. De avião chegou o Neném!! Fui buscá-lo no aeroporto 21h40, passamos no McDonald's para lanchar e fomos pra casa. Então ele me deu mais dois presentes: uma garrafinha lindíssima da Starbucks e uma caixa que a tia dele fez com as nossas fotos. Amei os dois!

Já com o Bê aqui em casa, fui assistir meu DVD do Nirvana. Esse momento foi um dos melhores desse fim de ano até agora! Eu e o Bê sentados no sofá abraçadinhos e ouvindo música boa. Deus foi muito bom comigo! Me deu um namorado lindo e com bom gosto musical!


Para fechar com chave de ouro a torrente de presentes maravilhosos, recebi uma visita de uma das pessoas mais importantes na minha vida. A minha babá, que me criou e trabalhou na minha casa até meus quase 15 anos veio do norte de Minas passar o Natal em BH e passou dois dias aqui em casa! Eu estava morrendo de saudades dela.

Ainda gastando meu melhor presente, fui passear com Bê pela Savassi. Tomamos suco, comemos crepe, fizemos compras de supermercado e todas as coisinhas que a gente sempre faz juntos, só que pelo telefone! No Ano Novo vamos viajar para a cidade da minha vó, pois é aniversário de 80 anos dela.

Tempo para postar, agora só ano que vem... Então, Feliz Ano Novo para todos, e viva o post número 100! :)

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Olha quem chegou!


Saí de casa com pressa, e então ele estava lá, lindo e loiro. Deu as caras por aqui depois de semanas. Me esquentou, me iluminou e me fez espirrar. Sol, SEU LINDO!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Sumi, mas voltei!


Sentiram minha falta? Eu estive ocupada. Muito. Ocupada. Massss... Agora estou livre como passarinho! São elas! Aquelas lindas, e gostosas FÉRIAS! Ou seja, não tenho que fazer trabalhos [apesar de estar fazendo], não tenho que ir pra faculdade [apesar de continuar indo], e não tenho que estudar [isso realmente não estou fazendo]! Mesmo de férias, estou à espera de tempo livre para fazer nada mais que nada.


Minhas matérias foram acabando aos poucos, de maneira que no final só tinha que ir à faculdade às quartas-feiras. Chamei isso de semi-férias, e durou duas semanas. Não aproveitei para estudar para a prova final, fui pro Rio mesmo e pronto. Acham que passei 6 dias na praia tomando água de coco? Nananinanão. Chovia. Eu estava no Rio e chovia. Depressão eterna? Só se estivesse sem meu namorado lindo. Chuva lá fora, piano aqui dentro. E filmes. E lanchinhos. 


Pra provar que o Rio não é só praia-água-de-coco, conheci o Barra Shopping [e tive que deixar minha marquinha na Kopenhagen de lá], fui ao teatro, na Starbucks e o melhor: fiz um passeio romântico na Lagoa Rodrigo de Freitas, que está linda com a Árvore de Natal. Na verdade, verdade, mesmo, fui ao Rio para fazer prova de Proficiência em Língua Japonesa. Fiz o Neném acordar 6h00 am no domingo, me levar no Flamengo e ficar 3 horas do lado de fora do prédio me esperando sair da prova. Mas ele é lindo e nem reclamou! :) Na falta do que fazer e preguiça de ir comprar almoço, fizemos a tradicional gororoba macarronada! Eu e o Neném preparamos um delicioso molho de tomate [dei um apoio moral incrível! Acho que isso conta como ajuda!] e meus cunhados [lindos] fizeram molho branco. A única coisa que eu fiz, na verdade, foi colocar o macarrão na água. Esqueci de por sal. Sou ótima na cozinha.


Voltei pra BH, aquela coisa e tal. Me despedi dos meus pacientinhos transplantados no meu último dia de estágio no hospital e usei até o último neurônio na prova de Análise de Alimentos [tirei nota boa! Quem diria...]. Passei uma semana tensa, esperando as notas serem liberadas no site. Até hoje não saíram todas, mas as que faltam eu sei que tirei A. Na quinta-feira meus avós lindos chegaram de viagem. Eles passaram 3 meses viajando. Eu sei que é bom pra eles viajar e talz, mas sou egoísta mesmo! Não aguento eles longe de mim! Além de tudo, é minha vózinha que me alimenta. Fiquei 3 meses sem almoçar e emagreci 2kg [ o que não é de tudo ruim... hehehe].


No domingo vi meus amigos! Ai que saudade que eu tava deles. Não vi todos, mas já deu pra diminuir a saudade gigante. Teve festinha de fim de ano na casa da minha amiga, comemos peru, nozes, pão integral e patê [olha que chique!], não podendo faltar o bom e velho pão-queijo, já que casa de mineiro sem pão-de-queijo não é casa de mineiro. E já que fim de ano = natal = presentes, fizemos um amigo oculto. Adorei meu presente! Principalmente porque quem me tirou foi um amigo que conheço desde a 1ª série, quando eu tinha 7 anos. Além disso, estava morrendo de medo de algumas pessoinhas me tirarem. Algumas porque não conhecia e outras porque seria desagradável mesmo. Mas no fim tudo deu certo e até cheguei viva em casa!


Deixe-me ver o que mais eu fiz.... Fui na Associação de Diabetes Infantil, fiquei encarregada de fotografar e filmar [coisa chata de se fazer com a câmera nova superfoda do vovô]. No outro dia teve feijoada, aí comi o suficiente para me manter satisfeita por uma semana e nunca mais comi nada. Aí vesti minha camisa-da-preguiça [aquelas gigantes com o Mickey na frente], bebi litros de café e me enterrei na frente do computador. Fim.





quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Acima de tudo o amor


Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, se eu não tivesse o amor, seria como sino ruidoso ou como címbalo estridente.

Ainda que eu tivesse o dom da profecia, o conhecimento de todos os mistérios e de toda a ciência; ainda que eu tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tivesse o amor, eu não seria nada.

Ainda que eu distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse o meu corpo às chamas, se não tivesse o amor, nada disso me adiantaria.

O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho.

Nada faz de inconveniente, não procura seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor.

Não se alegra com a injustiça, mas regozija com a verdade.

Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor jamais acaba. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência também desaparecerá.

Pois o nosso conhecimento é limitado; limitada é também a nossa profecia.

Mas, quando vier a perfeição, desaparecerá o que é limitado.

Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança.
Depois que me tornei adulto, deixei o que era próprio de criança.

Agora vemos como em espelho e de maneira confusa; mas depois veremos face a face. Agora o meu conhecimento é limitado, mas depois conhecerei como sou conhecido.

Agora, portanto, permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. A maior delas, porém, é o amor.

[1 Coríntios 13]

Dedico esse capítulo a você, amor. Eu te amo!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Novembro



Se eu disser que passei a semana atolada de coisas para fazer, vocês leitores vão pensar se tratar de tremendo exagero. Se me vissem correndo pela rua de mochila rosa, um celular em cada ouvido, a barriga roncando de fome, iriam, talvez, entender. Fato é que estive tão atarefada que deixei de lado este blog, meus amigos e meus livros. 

Inocente do jeito que sou, pensei que conseguiria fazer uma pasta de Avaliação Nutricional em 3 semanas. No final até consegui. Tive que conseguir. Com a ajuda dos meus pais, minhas primas e minhas colegas, terminei a pasta 1h00 da manhã na véspera da data limite. Além desse trabalho gigante [ao todo mais de 300 páginas, cada uma em um plástico] ainda tive que fazer mais 2 trabalhos menores, fazer uma torta para o festival de tortas, depositar o lucro do festival no banco [sou da comissão de formatura], vender rifas, fazer estágio no hospital, arrumar uma flor de cabelo para a festa à fantasia que eu fui sábado e ajudar minha mãe a arrumar a casa.Não sei como dei conta de tudo, mas sobrevivi. 

Sexta-feira passada, saí mais cedo da aula e fui correndo pro aeroporto. Cheguei no Rio de Janeiro às 15h30 mais ou menos. Meu Neném e a prima dele já estavam me esperando no Galeão. O feriado foi ótimo! Fomos à praia, em uma festa à fantasia, tomei um Frappuccino na Starbucks, fizemos cabaninha de lençol igual menino pequeno e caminhamos no calçadão de Copacabana [00h e de salto, mas caminhamos]!


Cheguei em casa terça-feira, morta, e apaguei. No outro dia fui correndo pro estágio no hospital, igual a um zumbi. Estava tão cansada e com tanto sono que levei 40 minutos pra calcular uma dieta, o que normalmente faço em 5 minutos. De tarde descansei e estudei para a prova que fiz hoje.       

Novembro é o mês do desespero. O meu esse ano foi desespero³. E o pior de tudo é que ainda não acabou! Tenho trabalhos, provas, exame de Japonês também no Rio e relatórios para entregar. Pelo menos esse desespero todo significa que as lindas férias estão batendo na porta!


domingo, 30 de outubro de 2011

E viva o final de semana!

Feriadinho básico na sexta. Fiz o que tinha de fazer. Salão, aula de Japonês e trabalhos. Trabalhos, trabalhos, trabalhos. Sábado foi dia de família. Primos, tios, todo mundo aqui em casa. E eu enfurnada no meu quarto na frente do computador imprimindo gráficos e copiando tabelas.

Todo mundo dormiu aqui em casa. Domingo teve almoço. E filme. E nada de trabalhos. Mas eles estão aí. Esperando para serem feitos. E o Neném, tadinho, ficou abandonado. Mas eu pensei nele. Sonhei com ele. E quis ele aqui a todo o momento.


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Bom dia, quinta-feira!


Chovia. Ela acordou ainda com sono. A cama quente, o tempo frio. O cabelo curto, com a umidade, ficou volumoso e opaco. Ela fez uma trança e depois desfez. Tentou colocar um arco, mas acabou usando uma touca.

Aquela calça tamanho 38 que costumava não passar do joelho entrou e serviu como uma luva. Ela sorriu e escolheu uma blusa na gaveta. Pensou em passar uma base no rosto, mas lembrou que chovia e que a água faria tudo virar lama.

Na cozinha ferveu água para fazer chá. Colocou em uma garrafinha com um pouco de leite para ir tomando no caminho. Bebeu um golinho e deu uma mordidinha em um bolinho de chocolate.

Enfiou um jaleco branco na mochila, uma calculadora e um caderno. Calçou seu tênis de chuva, pegou a sombrinha e foi. Foi comendo, andando e desviando das poças. Fone no ouvido, sombrinha na mão. Atravessou as ruas pensando nele, pensamento que a fez sorrir. E sorrindo ela encostou a cabeça na carteira e dormiu.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O tapete novo do quarto do Bê



O Bê vem tanto aqui em casa que minha mãe viu a necessidade de fazer um quarto para ele. Bem, o quarto não é tecnicamente dele. É um quarto de TV, escritório e quarto de visitas, e sendo ele a única visita freqüente, dizemos que o quarto é dele. Na verdade não importa bem de quem é o quarto. O que importa é que estava vazio, cheio de nada e agora é um quarto com cama, TV, escrivaninha, armário e tapete. Tapeeeete! Um tapete lindo, felpudo e macio, perfeito para se refestelar enquanto ouve música; se sentar e se cobrir com uma coberta enquanto toma um chá quentinho; ou se deitar em almofadas e ler um livro enquanto chove lá fora.

O fato é que estou perdidamente apaixonada pelo tapete novo. Está frio, está chovendo, tenho chá, tenho almofadas, tenho livro pra ler, e é pra lá que eu vou! 


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

As gretas da vida


Sexta-feira à noite. Se quiser sair, tem que faxinar. Varrer, espanar e deixar tudo brilhando. E quando a casa está finalmente impecável, ela me pede para limpar as gretas debaixo das portas. As gretinhas. Com uma escova de dentes. Trabalho minucioso e paciente. Passa a escova na greta, depois lava. Passa sabão na escova, depois na greta. Limpa o sabão com o pano, passa a escova molhada, seca tudo de novo. Uma porta, duas, três.

As gretas estão limpas. Tão limpas que se vê o contraste da cor delas com a do resto do piso. Elas estão mais claras agora. Mais limpas. Você não percebe que elas existem até resolver limpá-las. E como estavam sujas! Você nunca repara no sujo das gretas, mas ele está lá, a cada dia maior, gritando "ooooléee" toda vez que você o negligencia.

A vida também é assim, cheia de gretas. E só dá pra limpá-las se você enxergar a sujeira nelas. E sua vida só fica verdadeiramente limpa se todas as gretas estiverem lavadas.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Espuma de banho

Passei o dia inteiro sozinha. Afogando em solidão. Ou melhor, em bolhas. Meu Deus, quantas bolhas! Na verdade fui possuída pelo monstro das bolhas. Ele invadiu o banheiro, depois o quarto. Joguei água, passei pano, rodo, tudo. E aqui estão elas. Bolhas, bolhas, bolhas. Malditas bolhas.

sábado, 15 de outubro de 2011

Debaixo das cobertas


Sexta-feira, 14/10/11. Cheguei em casa sexta cansadinha. Rodei a cidade nessa chuva que junto com o calor deixam meu cabelo uma esponja e minha pele quase uma oficina mecânica de tanto óleo. Talvez isso nem seja perceptível, mas eu fico imensamente incomodada. Tomei um banho [o segundo do dia] e estudei um pouco. 

O único esporte que estou praticando regularmente agora [tirando a caminhada diária, casa - faculdade, faculdade - casa] é Pilates. De vez em quando faço uma esteira ou nado um pouco no clube, de maneira que estou tentando manter o ritmo de exercícios ao menos 2 vezes na semana. Saí do Kick Boxing porque, ao contrário do que eu imaginava, não é tão parecido assim com Taekwondo e o cheiro de homem suado me desanimou. Então ontem fui lá pro Pilates e voltei com todos os músculos duros e doloridos. "O resultado compensará". Repito isso para mim mesma enquanto massageio meu abdômen enrijecido.

Tomei outro banho, assisti a uns 2 ou 3 episódios de Dragon Ball e fui dormir. A ausência de colchão na minha cama me obriga a dormir no quarto de TV, o que não é de tudo ruim, já que posso assistir TV até tarde. Estava passando um filme antigo, "Piquenique na Montanha Misteriosa". Quanto mais eu assitia, mais intrigada ficava. Talvez por se tratar de uma história real, talvez por conter vários mistérios perturbadores que ficaram soltos. Tentei não pensar muito no filme depois, para não perder o sono. Deu certo. Só fui lembrar dele agora. 

Sábado, 15/10/11. Acordei tarde. Olhei para o celular e vi a data. 15 de outubro. Há um ano atrás eu estava em uma fila, correndo atrás do meu sonho. Tanta coisa aconteceu nesse meio tempo. Enquanto me lembrava daquele dia, passei um café e fiquei o resto do dia debaixo das cobertas curtindo a chuva. Almocei um sanduíche e tomei um chá de bergamota. Meu celular não parou de apitar. Mensagens, mensagens, mensagens. Li um livro, tomei outra xícara de chá, abri a janela e depois fechei de novo. Arrumei a cama, tomei um banho e liguei o som. Dancei com o David Bowie. Comi pão-de-queijo e bebi mais chá. Troquei meia dúzia de palavras com o Bê na webcam e voltei pras cobertas. E aqui permanecerei até que obriguem a sair!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Semana bônus

Ganhei uma semana de presente. Simples assim. Prova adiada, feriadinho básico, aula cancelada. O que fazer no tempo livre? Trabalhos, trabalhos, trabalhos. Um montão deles. E depois, é claro, sair com as amigas, dormir muito e acabar de ver Dragon Ball (finalmente).
E quanto aos sites de hospedagem de vídeos, EU ODEIO TODOS VOCÊS.
^-^

sábado, 8 de outubro de 2011

Boa tarde, querido sábado


Que linda manhã de sábado! Acordei com uma mensagem do Bê me dando bom dia. A preguiça de levantar da cama me fez ligar a TV e ficar na cama até meio dia. Estava passando um filme que eu amo, "Elizabethtown". Fui assistindo e lembrando do Neném. Nossa história é bem parecida com a do filme, principalmente a parte que eles viram a noite falando no telefone. Como eu nem sou uma manteiga derretida, chorei o filme todo. Sou meio burrinha, né? Chorar em filme de comédia! Mas eu sempre choro em filmes, não tem jeito.

Depois do filme bateu aquela fominha. Fiz uma vitamina de abacate maravilhosa, tomei um banho, lavei roupa e me arrumei para sair. Não tem como ficar em casa em uma tarde de sábado tão bonita quanto esta. A temperatura está super agradável! Rodei a Savassi sozinha mesmo. Almocei no Mc Donald's, tomei um café na Kopenhagen e comprei umas coisinhas no supermercado. 

Vou confessar que me bateu uma invejinha do Bê, porque enquanto eu estou dando voltinha na Savassi, ele está surfando em Ipanema. Ai, ai... Quem me dera estar na praia agora!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Nostalgia


É essa chuva. Todo ano igual. Igual. Melancólica por natureza e tão idêntica que chega a ser nostálgica. A mesma chuva, o mesmo mês, o mesmo lugar. Uma sombrinha, uma poça de lama. Isso e mais nada. Lembranças de um vazio que agora está completo. Completo e bom. Mas a nostalgia vem mesmo assim. Cai lentamente e aconchegante como uma xícara de chá. Lavando a vontade de que nada seja como antes.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Rainy Mood


Foram  longos meses de seca em Belo Horizonte. Eis que ontem o tempo amanheceu fechado. Muito fechado. E logo começou aquela chuva fininha e gostosa. Ótima para ficar em casa o dia todo debaixo das cobertas e assistindo a um DVD... do Nirvana, talvez. Mas quando a chuva começou, eu estava na aula de Avaliação Nutricional, e quando ela passou de chuva fininha para chuvão pesado, eu estava voltando para casa sem sombrinha.

No desespero total, e ainda falando com o Neném no telefone, achei um cara na rua vendendo sombrinhas fuleiras de R$7,00. Peguei a primeira que eu ví, rosa choque e cheia de coraçõezinhos coloridos, abri e fui me equlibrando pra casa. Mochila, sombrinha, celular. Na metade do caminho a minha adorável sombrinha rosa choque começou a fechar sozinha e bater na minha cabeça. Mas eu não reclamei. Afinal, a tão esperada chuva estava alí, caindo e caindo.

O tempo continuou fechado, mesmo sem chuva, e tempo fechado dá sono e vontade de ficar em casa. Talvez seja por isso (ou talvez pelo fato de eu ter esquecido de ligar o despertador ontem) que eu perdi a hora e acabei acordando 7h00, meia hora depois do que deveria. Como já estava atrasada mesmo, parei no caminho para comprar um expresso. Entrei no elevador da faculdade 8h20, já conformada de que iria na aula só pra assinar a chamada, já que perder 20 minutos significa não conseguir pegar mais nada da matéria. A porta já ia fechando quando o professor surgiu correndo pra pegar o elevador. Lucky!! Cheguei um segundo antes do professor!

A aula acabou muito cedo e deu tempo de fazer trabalho, falar com o Neném no MSN, ver show inteiro do Red Hot Chili Peppers (Slane Castle) e o show da Shakira no Rock in Rio (que foi bem legal). Só assim mesmo para me preparar para ter aula até as 18h30 com esse tempinho preguiçoso.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Terça-King-Size-Feira

Depois de assistir aula, fazer trabalho, almoçar no bandejão, fazer mais trabalho, apresentar trabalho, assistir a algumas apresentações, rabiscar 3 folhas de caderno, comer todo o estoque de comida da mochila, jogar paciência no iPod, bater a cabeça na parede, implorar pro Bê conversar comigo por mensagem, assistir a mais duzentas mil apresentações, contar quantas lajotas tinham no chão da sala, calcular quanto vou gastar/ganhar/juntar em 1 ano quando estiver trabalhando e quanto minha poupança vai render [passo a passo] se eu aplicar 500 reais por mês, a aula acabou e eu fui pra casa. Latas de tinta na cozinha. Jornal no chão da sala. Tábuas no corredor. Cadeiras no meu quarto. Posso voltar pra aula?

domingo, 25 de setembro de 2011

Semana Punk


Tem coisa melhor do que chegar em casa e encontrar seu quarto assim?

Pois é. Fui empurrada pra sala. Dormi em um colchonete e no outro dia fiquei estudando no escritório. Porém, quando cheguei da faculdade à noite, tinha uma pilha de tábuas de madeira onde eu havia colocado meu colchão e eu tive que dormir no sofá mesmo. Dois dias depois eu só podia entrar na cozinha e me mudei de vez pra casa da minha vó.

Não posso reclamar, pois isso significa que finalmente terei um armário só pra mim, e o Neném terá um quarto digno quando vier na minha casa. Agora já posso entrar no meu quarto, mas só entrar, porque ficar lá dentro é fora de cogitação. A pintura já está pronta, mas ele virou quarto de entulhos para colocar os móveis da sala [que está lotada de tábuas]. Não preciso nem dizer que o apartamento está um caos, né?

Enfim, para fugir de ter que encarar essa montanha de bagunça, sai cedo no sábado. Fui para a casa da minha prima com minhas outras primas para relaxar um pouco na piscina. Relaxamos, sim. Mas antes carregamos um fogão até o apartamento dela. Imagine 4 mocinhas magrelas carregando um fogão. Foi até engraçada a cena.

Da casa dela fui direto pro show da Droppie Joe. O show foi maravilhoso! Eles conseguiram tocar melhor do que da outra vez! A única coisa que não gostei foi que tinha um rato lá no lugar!!! Ele desceu pelos fios da mesa de som e se enfiou por baixo do palco. Passei o show todo tensa por causa do bicho. Fiz umas filmagens legais do show. Dessa vez tinha mais luz no palco e deu até pra ver alguma coisa na imagem. Depois eu posto um vídeo aqui.

Saí do show, tomei um banho e fui pro aniversário surpresa da minha amiga da faculdade. Lá pras 10pm eu já estava morta de cansaço e voltei pra casa. Estava passando o Rock in Rio na TV e como o Neném estava lá, eu fiquei com vontade de assistir. A gente sempre tem aquela esperança minúscula de que a câmera filmará exatamente aquela pessoa que você conhece no meio da multidão. Obviamente não o vi, mas assisti ao show do Red Hot Chili Peppers que foi doido demaiiiss!

Dormi pra lá de tarde, acordei hoje com dor em cada músculo do meu corpo e com cara de zumbi. Queria dormir o dia inteiro. Depois do almoço em família, o Neném me contou tudo sobre o show de ontem no telefone, estudei um pouco e fiz trabalho.

Essa semana será perfeita! Acabam as obras aqui de casa e o Bê vem passar o final de semana comigo! *-* Can’t wait!!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

What a lovely weekend!



Acordei cedo no sábado. Estava frio e nublado. Varri a casa, troquei a roupa de cama, coloquei as roupas para lavar, tomei um banho quentinho e me arrumei para sair. A Oli me encontrou aqui em casa pela manhã, trocamos livros e esmaltes e depois fomos para o pastel. Lá estava o Álvaro deliciando um pastel de bombom enquanto congelava naquele vento seco de fim de inverno.

Esperávamos outros dez rapazes e raparigas para nos acompanhar no passeio matinal pela cidade, mas acabamos nos conformando de que seríamos apenas os três e deixamos o local combinado para encontro da turma. Entramos em um pequeno café, alguns quarteirões à frente, onde pedimos bebidas para nos aquecer.

A fim de comprar presentes e outras coisinhas mais, caminhamos até o shopping. Para minha grande surpresa, não encontrei nenhuma loja que vendesse fones de ouvido que custassem mais de R$6,00, e como não quero outro fone com duração máxima de um mês, continuei sem poder ouvir música no meu iPod. Durante nossa busca por um fichário, encontramos com o Gustavo que voltava da aula de inglês e fomos almoçar no Burger King.

Já sentados para comer, avistamos o Fipi com o sanduíche na mão, procurando um lugar pra sentar. Aquilo foi incrível! Não esperávamos que ninguém mais aparecesse para nos fazer companhia e surgiu o Felipe para saborear conosco um Whopper com batatas fritas. Para melhorar ainda mais a tarde que se iniciava, a Allana nos encontrou lá também.

Lá para o meio da tarde, voltei para casa e liguei para o Bê. Cada ligação é um momento marcante [de duração mínima de 1h] do dia, por isso sinto a necessidade de sempre registrar aqui. Mal dei oi para minha mãe e saí correndo. Era festa surpresa do Elio e não podia perder a carona que sairia em 5 minutos. Lá encontrei com mais amigos, comi uns espetinhos de frango deliciosos e, para minha alegria, musse diet.

No domingo não fiz nada, na verdade. Mas meu sábado foi tão, mas tão legal que valeu pelo final de semana todo. O acontecimento épico do finalzinho do final de semana foi a viagem dos meus avós. Eles vão ficar quase 3 meses visitando os bisnetos deles que moram bem longe. Vou ficar desolada aqui sem vô nem vó por todo esse tempo! Fora isso, conversei com o Bê no MSN, estudei para a prova de quarta-feira e passei um tempinho com minha família.

Espero que todos tenham tido ânimo para ler o post até o final! Agradeço a preferência e voltem sempre!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Boa noite, sexta-feira!


Hoje o dia está ótimo para ficar em casa dormindo o dia inteiro. Poderia ficar dias listando os motivos, mas aí não seria mais sexta. Acordei às 6h30 com o Bê me ligando. Tadinho. Não sabia que eu não tinha aula de Japonês hoje e ficou com medo de que eu me atrasasse. Depois de umas 2 ou 3 mensagens de bom dia, voltei a dormir e só acordei às 10h00. Eu disse acordei, e não levantei. Puxei o notebook pro meu colo e fiquei debaixo das cobertas por mais um tempão!

O dia estava nublado e frio. Nada melhor do que assistir ao último episódio de um drama japonês triste em um dia triste. Não preciso nem dizer que chorei litros, né? Pra quem entende de j-dramas ou estiver curioso, a série que acabei de ver foi "Ima, Ai ni Yukimasu". Uma ótima série, super recomendo!

Lá pra 12h30, o Bê saiu da aula e me ligou. Enquanto nos falávamos eu fiz aquele miojão esperto e assisti um pouco de TV [quem não consegue fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo é lerdo]. Sei que fica feio para uma [wannabe] nutricionista dizer que almoçou miojo, mas é que minha vó vai viajar domingo e estou me preparando já pra ficar 4 meses sem comida de vó. A gente tem que começar aos pouquinhos, certo? Hoje miojo, amanhã sopa de legumes, e quem sabe em um mês já vou estar fazendo arroz com bife?

Ainda morrendo de frio, fiz um chá pra ver se esquentava. E depois fiz outro. E mais outro. Um pouco aquecida, fui estudar Japonês. Farei uma prova no Rio de Janeiro em menos de 3 meses e não sei quase nada de Kanji! Estou ficando desesperada já! Estudei até bastante e depois falei um pouquinho com o Bê no msn.

Não sei se cheguei a comentar aqui antes, mas eu comecei a fazer Pilates. É bem paradão, mas ajuda a fortalecer os músculos e ajuda na dor das costas. Também nunca disse que tenho dor nas costas, né? Mas agora vocês já sabem. Então de noite fui lá pro Pilates. Programão de sexta à noite é ir pra academia, lógico. E depois chegar moída, com cada músculo do seu corpo pedindo penico, tomar um banho quentíssimo e capotar na cama. E é exatamente isso que vou fazer agora.

domingo, 11 de setembro de 2011

Nightmare

Há 6 meses tenho tido pesadelos frequentes. De 2 a 3 vezes por semana sonho com coisas capotando [carros, ônibus ou até mesmo hospitais (?)], sonho com pessoas morrendo ou coisas ruins relacionadas ao meu namorado. Sempre que acordo desses pesadelos, vejo que estou com hipoglicemia.

Andei pesquisando e encontrei um artigo que diz ter relação entre pesadelos e a baixa de glicose no sangue.  
"A hipoglicemia noturna pode ser manifestada por pesadelos, sudorese noturna e cefaléia ao levantar-se. Merece avaliação glicêmica e se confirmada, é necessária redução da 2ª dose ou dose noturna da insulina de ação intermediária.  
Assim, todo paciente tratado com insulina e as pessoas que convivem com ele devem estar alertas para os sintomas e sinais de hipoglicemia e saber como proceder; o paciente deve ter consigo uma fonte de açúcar e cartão de identificação como diabético."

Essa dona Hipoglicemia é uma bruxa tão malvada que não só me aterroriza de dia, como me faz ter pesadelos à noite. Aí acaba que, por medo dela, como demais e minha glicose sobe demais. Eu sei que diabética querendo emagrecer vai ter hipoglicemia inevitavelmente, mas daí a atrapalhar meu psicológico já é outra história! Pode parecer bobagem, mas esses sonhos ruins me deixam muito impressionada. Fico pensando nisso por semanas. Eles pegam meu ponto fraco e me deixam mais medrosa. Quero que vão embora mas eles sempre voltam!

Sempre que tenho hipoglicemia noturna, acordo. Já acontecia antes dos pesadelos começarem. Eu estava dormindo e acordava passando mal. Sem mais. Agora só acordo depois de ter sonhado aquilo tudo. Ai,  ai... Me devolve meus sonhos, cérebro burro!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Unhas

Eis que, conversando com a Oli, eu sinto que preciso de comprar esmaltes. Inesperado, não? Logo eu, euzinha aqui, querendo comprar esmaltes. Pra não dizer que sou totalmente alienada no quesito unhas, até tenho um pequeno estoque com uns 10 vidrinhos no máximo. 2 pretos, 2 rosas, 3 vermelhos e um branco pra fazer francesinha. Então descubro que quero mais. Quero variar as cores. Quero gliter. Cara, acho que estou virando mulherzinha de vez! Talvez seja a convivência....

Olha só as cores que comprei:


Não dá pra ver direito na foto, mas o primeiro é Viúva Negra, o segundo é Cenário Perfeito e o terceiro Chão de Estrelas. Segui as recomendações da Oli e agora vou testar nas minhas patinhas! :)

P.s: Já testei o Chão de Estrelas! Olha como ficou:


quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Prova


Daqui a 1h faço a primeira prova do semestre. Espero que o tanto que estudei ontem e hoje mais cedo tenham sido suficientes pra ir bem na prova. A matéria parece fácil, mas quanto mais fácil aparenta, mais tensa a prova costuma ser. Li tantas coisas da matéria que até sonhei com um adipômetro.
Me desejem sorte! o/

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Quantos anos você tem, mesmo?


Tem gente que parou no tempo. Não dá pra ter 15 anos o resto da vida... Ser infantil às vezes não é de tudo ruim, mas não dá pra perder a noção! Ou, quem sabe, são as meninas de 15 com as quais eu convivo que são maduras demais?

Sorry, mas eu precisava desabafar!


domingo, 28 de agosto de 2011

Um dia lindo


Depois da chuva vem a calmaria, certo? Minha semana foi cheia de tempestades. Até pensei que a casa ia cair, mas a chuva passou e tudo se tranquilizou. O final de semana trouxe o sol!

Acordei no sábado com um computador novinho na minha mesa, ainda sem todas as configurações, mas com 5 vezes mais HD do que o antigo. Isso significa que cabem 5 vezes mais episódios de j-drama e anime do que o outro! Além disso, ele é tão silencioso que nem dá pra saber quando ele tá ligado (acho que o outro é que era muito barulhento, mas tudo bem).

Tomei um banho, sequei o meu cabelo (que infelizmente ainda está curtérrimo e já sem progressiva) e fui pra pastelaria em frente ao colégio em que estudei. Lá encontrei com meus amigos e fizemos tudo o que não fazíamos desde o 3º ano e que estávamos morrendo de vontade de fazer. Jogamos truco, comemos pastel gostoso, tomamos Strawberry Lemonade no café da rua de trás, almoçamos no Subway e ficamos a tarde toda tocando violão na Praça da Liberdade.

Ai, como eu sinto falta de vê-los todos os dias, conversar por horas, jogar bola na quadra, ouvir música depois do almoço. Que saudade de compor músicas e jogar adedanha nas aulas chatas, ficar a tarde inteira fazendo nada enquanto deveria estar estudando e de noite voltar pra casa conversando com eles.

Quero mais dias como esses! Céu azul, Sol quente, Strawberry Lemonade gelado, chafariz refrescante, muita conversa e música boa!

P.S.: Agradecimentos especiais à Alice por ter emprestado o violão! J

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Another one of those days


Hoje é mais um daqueles dias que eu deixo o despertador tocar 4 vezes antes de levantar. Mais um dia que eu descubro às 7h20 que minha mãe não vai me dar carona e que eu vou ter que ir andando [quer dizer, correndo] até a faculdade. Na faculdade tenho a aula mais chata e inútil de manhã, abro minha mochila e vejo que esqueci a insulina em casa e que vou ter que andar de volta até lá pra pegar e depois voltar pra faculdade de novo.

É nesses dias que eu percebo que está tudo errado e que eu não sei o que fazer para consertar. Reflito sobre o que eu realmente quero, sobre o que o mundo quer de mim, sobre meus sonhos e a realidade que existe para acabar com eles.

E assim eu volto pra aula chata...


sábado, 13 de agosto de 2011

Dia lindo acaba em tragédia

Manhã de sol. Rafinha vai com uma amiga e duas primas ao clube. Conversa com elas, nada na piscina, almoça no restaurante, liga o iPod e fica ouvindo música bem longe da sombra. Passadas algumas horas, Rafinha toma banho e volta para casa. Seu rosto começa a arder. Arder muito. Manchas vermelhas aparecem e Rafinha se lembra da aula de Primeiros Socorros na faculdade sobre queimaduras e das recomendações da dermatologista sobre passar muito protetor solar por causa do tratamento de pele. Rafinha chora.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Novo semestre, novo tudo!

disse que odeio mudanças, né? Mas dessa vez algumas foram para melhor. Nesse novo semestre só tenho que ir para o Campus da faculdade [que fica há 12 km da minha casa] uma vez por semana, o que implica em NADA DE ÔNIBUS DURANTE A SEMANA!! Tenho aula agora só no Campus Saúde, apenas há 2 km de casa. Uma caminhadinha de 20 minutinhos.

Eis que chego ao Taekwondo hoje, após um mês de ausência devido à viagem, e descubro que não vai mais ter Taekwondo! Agora só me resta procurar outra academia ou mudar de esporte. Essa mudança foi horrível.


Para completar a lista de novidades, minha mãe finalmente mandou fazer armários aqui pra casa. Mudamos há relativamente pouco tempo, e como o apartamento era novo, veio sem nenhum armário. Viemos morar aqui com apenas um armário na casa: o do meu quarto. Ou seja, tem tudo nele menos minhas roupas! Ta bom... exagerei um pouquinho. Sobrou uma gaveta para todas as minhas roupas! Agora com os armários novos do quarto da minha mãe e do quarto de TV, vou ter tanto espaço que nem sei o que fazer com ele! Vou colocar uma camiseta em cada gaveta e pendurar o resto todo nos cabides!

Também criei um tumblr. Não que isso seja uma grande mudança, já que nem pretendo mexer nele....

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Aventuras de uma mineira no Rio de Janeiro


Eu sei que tá todo mundo curioso para saber como foi a minha viagem, então vou deixar de enrolação e contar logo tudo pra vocês.

Chegada:

Eu cheguei ao Rio super ansiosa porque estava com saudades do Neném [lógico], e porque estava morrendo de vergonha de conhecer a família dele. Esse primeiro encontro foi bem melhor do que eu imaginava. Adorei os pais dele, o irmão, a prima, os tios, cachorros, passarinhos, coelhos e gatos! Fui muito bem recebida por todos e rapidinho comecei a me sentir em casa.

Como eu conheci os amigos do Neném:

Logo no primeiro dia já conheci o melhor amigo dele, e ao longo dos dias fui conhecendo os outros. Foi um custo conhecer uma amiga dele. Eu tive que insistir mil vezes para ele combinar de encontrar com ela. Acabamos indo para uma boatezinha na Lapa que tocava funk e que só tinha gente feia. Apesar do lugar mal freqüentado, foi muito divertido e dançamos a noite toda. Na última semana da viagem, as aulas do Neném começaram, e eu fui pra escola com ele. Conheci todo os amigos que faltava conhecer e vi meu primo, que é da sala dele.

Como meu dinheiro se foi:

Meu dinheiro evaporou só com ônibus, metrô e táxi. Quando assustei já não tinha quase nada sobrando e ainda faltava mais de 1 semana pra voltar pra BH. Para piorar, minha insulina acabou e eu tive que desembolsar R$85,00 para comprar uma nova. Mas no final deu tudo certo e ainda cheguei em casa com R$26,00 na carteira.

Como eu fiz um gato me odiar:

Na casa do meu sogro tem 3 coelhos, 2 gatos e um monte de passarinhos. E como eu nem gosto de bichos fofinhos, pulei em cima de todos e fiquei apertando, fazendo carinho, pegando no colo, beijando e esfregando o pêlo fofo na minha bochecha. Conclusão: minhas mãos estão todas marcadas de arranhões de coelho e o pobre coitado do gato não pode me ver que já se esconde.

Como eu fui parar em São Paulo:

A ideia era ficar no Rio 2 semanas e voltar. No final de semana seguinte à minha volta, a família do Neném iria a São Paulo para uma festinha de aniversário da priminha dele. Porém, a tia dele deu ideia para eu ficar mais uma semana e ir junto com eles e todos concordaram que seria ótimo. Eu nem me animei na hora porque pensei que minha mãe nunca iria concordar com isso, mas um milagre aconteceu e ela me deixou ir! Além de ficar mais 7 dias com meu gatinho, conheci Sampa e o resto da família dele.

Como eu já disse no post anterior, as férias foram simplesmente perfeitas. Deu tudo certo, fizemos tudo que tínhamos planejado fazer. Conheci todos que queria conhecer, fomos à praia, passeamos com a Estrela, tiramos 500 fotos, subimos até o bondinho a pé, fomos na Starbucks quase todos os dias, assistimos a uns 50 filmes juntinhos e o mais importante: passamos 20 dias juntos, colados, grudados!

Quero que o tempo passe rápido e chegue logo o dia de nos encontramos de novo! Porque tudo é perfeito quando estamos juntos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...