sábado, 26 de maio de 2012

Meu cantinho


Passo 100% do meu tempo livre no meu quarto, mais especificamente sentada na frente do computador. Moro nesse apartamento há quase 4 anos, e procurei deixar meu quarto com a minha cara. Apesar das infinitas tentativas da minha mãe de jogar todas as minhas coisas fora e comprar novas, já que ela acha tudo feio e antiquado, eu mantenho alguns detalhes que fazem toda a diferença. Por conta dela meus móveis são brancos e minha parede é lilás clarinho. Se pudesse escolher, eu colocaria móveis de madeira e pintaria a parede de rosa bebê. Mas ela diz que como o quarto faz parte da casa dela, pertence a ela.

Clique para ver a imagem maior,
com detalhes
Minha parte preferida do quarto é o armário que fica em cima da minha cabeça. Ele tem uma báscula, onde guardo meus livros e CDs, e um vão com uma prateleira de vidro. Tive que implorar pra minha mãe colocar a parte da prateleira, pois antes era apenas uma báscula interiça, ou seja, nenhum lugar pra colocar minhas preciosas Sailors. Além das bonequinhas que eu comprei no Canadá, deixo na prateleira o meu cofrinho de porco, minha kokeshi, o copo da Starbucks que eu comprei na Argentina e a garrafinha de Frappuccino que minha prima trouxe pra mim do Canadá. As bonequinhas no alto eu ganhei nos EUA quando tinha 6 anos. Eu gosto muito delas pois me lembram a infância, já que estiveram comigo nessa época. Também deixo na prateleira o porta-retrato que minha amiga Olívia fez pra mim com nossa foto, lógico!


Eu amo posteres. Por mim teria um monte deles colados na minha parede inteira, mas adivinhem: minha mãe acha feio e papagaiado. Mas não é por isso que deixo de colá-los em algum lugar. Atrás de cada porta dos meus armários tem um [ou mais] posteres. Os da Sailor Moon estão aí, obviamente, porque eu AMO Sailor Moon. Eu assistia quando era bem pequena na TV Manchete, e há uns 6 anos baixei todos os 200 episódios e assisti tudo de novo. Essa foi uma das maiores realizações da minha vida!


Além dos 5 posteres da Sailor Moon, também tenho um do David Bowie, um da minha amiga Moeko de kimono e um do Uacari Branco, que tenho colado no armário desde os meus 5 anos de idade. Mantenho esse mais por tradição [ele já está até amassadinho e meio rasgado]. Em baixo de um dos posteres da Sailor Moon, colei algumas fotos, já que ainda não tenho quadro de ímã.



Outro detalhe que eu adoro é meu chaveiro do Goku. A nuvenzinha é macia de apertar e ele é muito fofinho. Junto com ele eu deixo um cartãozinho de tsuru que a Moeko me deu há 3 anos. 



Pronto! Agora vocês já sabem como é o meu quarto, ou pelo menos como é a parte dele que é "minha".



segunda-feira, 21 de maio de 2012

Feliz Segunda Feira!


Eu não entendo como alguém pode odiar as segundas-feiras e amar as sextas. Pode me chamar de anti-social ou o que for, mas para mim é totalmente ao contrário. Sexta é ótimo para sair à noite, pois não tem aula/trabalho no sábado de manhã, mas não é por isso que as pessoas têm que abusar marcando eventos para sexta à tarde ou de noitinha. Chego em casa às 20h00 querendo TUDO menos sair de casa. A primeira coisa que faço é tomar banho, colocar meu pijaminha, amarrar meu cabelo pra cima [sexta não lavo o cabelo pois não tem aula sábado de manhã então ninguém me vê de cabelo duro], e colocar mil episódios de J-drama pra passar na TV. Normalmente durmo cedo, morrendo de dor no corpo.

Agora, as segundas-feiras começam sempre bem. Desligo o despertador e volto a dormir. Acordo lá pras 9h00, tomo café da manhã e volto a dormir. Às 10h00 eu acordo de vez, tomo banho, me arrumo com calma, almoço na casa da vovó, faço um chá pra levar pra aula e vou de boa, saltitante. Na faculdade tenho uma aula chatinha, mas sempre encontro minha prima e meus amigos  no intervalo e consigo até carona com um deles. Segunda é o dia da fofoca, da risada, de matar a saudade. É um dia leve, diferente da sexta que é pesada como chumbo.

Hoje, sendo uma segunda-feira, foi um dia tranqüilo. Acordei às 8h30, tomei café, assisti um episódio de J-drama, estudei pra prova até na última hora, tomei banho, falei com o meu amor no telefone, não almocei porque não deu tempo, fiz chá pra levar pra faculdade e peguei ônibus lotado ainda falando com o Bê no telefone. Antes da prova teve uma aula para tirar dúvidas dos exercícios. Aula de tirar dúvidas = o que que eu to fazendo aqui, então eu fiquei brincando no iPod. A prova foi de boa, acho que fui bem. Eu me esforcei bastante. Espero que o resultado seja coerente com o tanto que estudei. 

A parte chata do dia foi passar 1h10 no ônibus de volta pra casa, mas eu estava sentada e fiquei jogando Need For Speed no iPod e ouvindo música. Cheguei com dor de cabeça, mas nada como uma bela sopa de miojo com brócolis, couve-flor e cenoura e uma xícara de chá para melhorar. Depois fui pra academia, pois agora estou fazendo musculação. Na volta fiquei uns bons minutos no telefone com minha prima [fato raro, já que só costumo falar no telefone com o Bê e com minha mãe].

Para finalizar o dia, vou tomar um banho quente, ler um pouco e ir dormir, pois amanhã é terça e terça.... é ouuuuuutra história!


quinta-feira, 17 de maio de 2012

TSUKARETÁ-----!



Voltei pra casa quase engatinhando. A primeira coisa que fiz foi deitar na cama, ou melhor, despencar. Assim, de mochila e tudo. Depois da décima segunda vez que minha mãe me perguntou se eu estava indo para a academia, resolvi criar forças para levantar. 

Coloquei um despertador novo para 5h00. Esqueci de configurar a música do alarme e ao invés de tocar o habitual "Here comes the sun, tchurururu....", tocou "ONE, TWO, THRE, FOR!!! PAAAAMMMMMM". Levantei em um salto e 5 minutos depois [porque de manhã o tempo passa MUITO rápido] eu estava arrumando a cama. Fiz chá preto russo, o mais forte que consegui, tirei os mil moletons quentinhos de dormir e me empacotei toda. Estava 11º C e eu estava congelando. Saí de casa às 6h15, falando no telefone com meu amor e rezando pra chegar na hora certa no estágio.


A essa hora da manhã, não tinha um carro ou uma viva alma na rua. Por isso cheguei no ponto do ônibus às 6h40 e peguei o ônibus às 6h45. O trânsito também não estava ruim e consegui chegar às 7h15 no posto de saúde. Acho que, devido à adrenalina do momento [e também o chá preto russo super forte] não fiquei com sono durante a manhã. No estágio correu tudo muito bem! Eu e minha colega coordenamos a reunião do NASF de hoje e os pacientes parecem ter gostado. Depois organizamos umas fixas para a nutricionista e fomos para a faculdade. O trajeto saiu um pouco mais demorado pois erramos de ônibus, mas conseguimos chegar às 12h00. 

Depois do almoço fui para a porta da sala. Ainda eram 12h30 e ninguém havia chegado ainda. Quando menos percebi, estava estirada no chão, apagada. Que vergonha! Dormi igual um mendigo no meio do corredor! A aula foi uma tortura gastronômica [pelo menos até a hora de comer]. Meu grupo fez uma salada com tudo que existe para se colocar em uma salada. O prato principal foi salmão assado ao molho de maracujá, o acompanhamento foi risoto e a guarnição batata assada com molho. Comi tanto, mas tanto que cheguei a passar mal! Isso porque fui embora antes do petit gatto ser servido. Se eu não fosse diabética teria infartado de tanto comer!

Agora vocês entendem porque voltei pra casa engatinhando? Além do cansaço dominante e do sono pesado, meu estômago estava lotado de comida. Agora só me resta esperar a digestão mais um pouquinho e ir malhar. Quanto ao petit gatto, um dia eu invento uma receita diet e coloco aqui no blog! 

sábado, 12 de maio de 2012

30 dias sem ele


Nos primeiros dias, veio aquela felicidade pós-encontro. Se conseguimos nos ver as férias inteiras, com intervalos máximos de 10 dias, é porque vamos nos ver logo. Depois veio o desespero. Descobri que não ia ser bem assim e que só-Deus-saberia quando iríamos nos ver novamente. Então veio a esperança. A gente sempre dá um jeitinho e não vai ser dessa vez que não vamos conseguir. De vez em quando vem o medo. Principalmente quando estou de TPM ou tendo um dia ruim. Depois de tanto tempo, vem a alegria de saber que quanto mais tempo fico sem ele, menos tempo falta para vê-lo de novo.

Saudade é isso.


quarta-feira, 9 de maio de 2012

Frio, sai daqui!

Um dia normal é aquele em que acontecem coisas boas e coisas ruins. Coisas mais ou menos, coisas e mais coisas. Tudo balanceado. Hoje foi assim. Bem normal mesmo. 

Saí de casa parecendo um boneco de neve. Bota, gorro, casaco e tudo. Atrasada, como sempre, fui correndo pra aula de Japonês, o que acabou me deixando com calor. Pessoas que andam não deveriam ter que sentir frio. Sinto frio, coloco casaco. Sinto calor, tiro o casaco. Chego ao destino, lá está frio mas eu andei, então estou com calor. E frio. Ao mesmo tempo.

Quando fui almoçar com meu pai, acabei trocando as botas por um tênis cor-de-rosa e os dois casacos quentes por um só, mais quente que os dois separados, menos quente que os dois juntos, e tirei o gorro. Chegando na faculdade, entrei no laboratório de informática e implorei por short e camiseta. 50 computadores ligados, janelas e portas sempre fechadas e ar condicionado desligado porque ta frio. Comecei a suar como se estivesse no deserto. Ao sair para lanchar, ainda com calor, não coloquei meu casaco. Mas lá fora está gelado então me arrependi profundamente. 

É por isso que odeio frio. Nenhuma blusa minha combina com nenhum casaco. Tenho que ficar tirando e colocando tudo toda hora. E a pior parte: a hora de dormir. Me cubro com 3 cobertores e se por acaso minha mão sai pra fora do "casulo" de cobertas, acordo morrendo de frio. 

Essa música não tem nada a ver com nada, mas eu tava ouvindo ela hoje e ela é muito boa. Afinal, hoje é um dia normal, e dias normais merecem músicas boas! ;)




domingo, 6 de maio de 2012

Meu cabelo e Eu


Eu amo meu cabelo. Já tive muitos problemas com ele ao longo da vida, mas sempre dou um jeitinho de ama-lo. Ultimamente tenho tido problemas relacionados com a oleosidade. Para tentar resolver, resolvi fazer uma retrospectiva do meu cabelo e identificar as causas.

Eu loira: anos 90

Eu era loira, tinha muito cabelo, comprido e liso. Adolescência, hormônios e alguns cortes errados depois, meu cabelo ficou cheio, ondulado e opaco. Aos 14 anos, fiz escova progressiva pela primeira vez. O resultado foi um cabelo baixo, liso, mais escuro e oleoso. Passei a lavar com mais freqüência e parei de secar com secador. Depois disso, meu cabelo nunca mais foi o mesmo, pois caiu MUITO. O volume reduziu para sempre, não só pelo efeito do produto, mas por ter reduzido em 2/3 a quantidade de fios.

Antes: 13 anos                       Depois: 14 anos
Ao longo dos anos que se sucederam, cultivei muito amor ao meu cabelo, lavando e secando com o secador diariamente para mantê-lo sempre limpo e lindo. Em uma segunda feira tenebrosa de junho de 2011, véspera do dia dos namorados, resolvi aparar as pontinhas duplas do meu cabelo que estava ENORME. Saí do salão em prantos, com o cabelo no pescoço, todo torto e com dois fiapos atrás. Por mim eu iria direto pro cemitério, porque a única vontade que eu tinha era morrer.

Um dia antes e um dia depois do estrago!
Eu havia feito progressiva pela última vez há mais de um ano, ou seja, no pouco de cabelo que me restou não havia química nenhuma. Imaginem agora aquele cabelo lá em cima, dos meus 13 anos, "chanel". Posso garantir que bonito não estava. Passei a odiar meu cabelo e pensei até mesmo em raspar e usar peruca. Toda hora que o via no espelho ou até mesmo na minha sombra, desabava a chorar. Tampei os espelhos da casa com cartolinas e tudo mais. Chorava no ônibus, no meio da prova e toda hora que lembrava que ele estava curtinho.

Duas semanas depois, minha mãe, não aguentando mais me ver daquele jeito, me levou na amiga dela cabeleireira para fazer qualquer coisa que ajudasse a melhorar minha aparência. Ela foi um anjo. Cortou mais, para acertar o torto (pelo menos para melhorar, pois para ficar reto só mesmo deixando na orelha) e fez a bendita progressiva. Melhorou 75%.

Junho 2011

Desde então ele vem crescendo, vou lavando diariamente e ele vem ficando mais e mais oleoso. Quando cheguei ao ponto de ter que lavar 2 vezes por dia, assustei e parei para refletir. Me disseram que lavar o cabelo com muita freqüência leva ao aumento da oleosidade, o que contradiz as recomendações da minha dermatologista. Encontrei então 3 soluções:

* Parar de fazer progressiva
* Lavar "dia sim dia não"
* Mudar de dermatologista

A primeira solução é simples. Progressiva nunca mais. A segunda é muito difícil. Como eu disse, criei o hábito de lavar o cabelo 2 vezes por dia, então ficar um dia inteiro sem lavar é uma tortura para mim. Cabelo sujo não é só feio, como incomoda. A cabeça coça. Sinto o óleo escorrer pelo rosto, que também fica oleoso por causa disso. Mas vou ser perseverante, sofrer nos "dias não" até o meu cabelo voltar a ficar apresentável com apenas uma penteadinha de manhã.

Meu cabelo hoje, crescendo

Ps.: Desculpem a falta de originalidade das fotos. Não estou fazendo propaganda da minha câmera! hahaha

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Nada é tão ruim que não possa piorar


Que dia, meu Deus, que dia! Quando já acordo com azar, sei que será assim o dia inteiro. É a Lei de Murphy, afinal.

O relógio despertou as 6h33, com alarme de buzina de caminhão. Não sei porque não mudei esse alarme até hoje, pois sempre levo o maior susto e já acordo com adrenalina lá nas alturas. Corri pro banho para lavar meu cabelo pois hoje é o "dia sim" [amanhã eu posto o post gigante sobre meu cabelo que escrevi mas que foi adiado devido às circunstâncias do dia de hoje]. Até ai tudo corria muito bem. Porém o tempo resolveu passar mais rápido essa manhã e quando sai do banheiro já eram 7h00. Para melhorar a minha situação de atraso, minha mãe perdeu a hora e ainda estava dormindo. Arrumei a cama e a mochila correndo, acabei de me arrumar e somente às 7h33 minha mãe acordou e foi fazer minha vitamina. Diabética tem essas coisas... Tem que seguir a dieta direitinho e meu café da manhã é sempre vitamina.

Já estava pronta pra sair às 7h45 quando minha mãe resolveu acordar meu pai e pedir pra ele nos dar carona. Até meu pai acordar e minha mãe trocar de roupa, passaram 10 minutos e só fomos sair de casa às 7h55. Com muita correria e stress consegui chegar apenas 15 minutos atrasada na aula.

O plano era ter 2 horas livres de almoço para comer, terminar o relatório e imprimir. Mas como nada tinha efetivamente dado errado ainda, o professor [muito folgado] resolveu que a aula ia começar 13h. Desespero-total. Saímos da sala 12h10 [além de começar mais cedo a aula da tarde, ele ainda acabou a aula 10 minutos depois] e corremos para o laboratório de informática. E quando ligamos o computador, qual foi nossa surpresa? A internet caiu. Simplesmente uma faculdade inteira sem internet. Logo na pior hora possível.

A única solução viável era ir até o consultório da minha mãe, a 5 quarteirões da faculdade, e usar o computador de lá. Andamos o mais rápido o possível e... tadaãaaaa! Nada de internet. Como eu amo a Oi <3. Já estávamos desistindo [ninguém precisa de pontos mesmo] quando resolvemos parar no xerox e tentar editar o trabalho no computador de lá. A moça atendente era muito gente boa e nos fez aguardar 30 minutos na fila do xerox, mesmo sabendo que queríamos imprimir no computador, nada a ver com o xerox. Almoçamos um pacote de batatas chips e às 13h fomos atendidas. A simpatia da moça foi tão enorme que não nos deixou nem ao menos apagar uma observação que havíamos escrito para quando fossemos acabar de escrever a discussão, e ainda nos cobrou 1 real por ter entrado na internet para salvar o arquivo. Corremos de volta para a faculdade e chegamos 13h20.

Na pressa, no desespero e na pressão total, tirei meus brincos, pulseira e anel e enganchei tudo junto com minha chave. Poderia ter escolhido um lugar melhor, mas na falta de jeito do momento escolhi a chave. Acabou a aula, eu estava estressada, exausta, querendo estar em casa a todo e qualquer custo e nem lembrei de pegar as coisas. Só lembrei no meio da rua, quando fui ligar meu iPod. Coloquei apenas o anel, deixando os brincos e a pulseira ainda enganchadinhos. Na porta do meu prédio, tirei a chave para abrir o portão e... CADÊ MEU BRINCO? Estava, simplesmente, a pulseira, apenas. Meus brincos desapareceram.

Depois de um dia em que TUDO deu errado, estou com vontade zero de ir pra aula de Pilates ou de fazer qualquer coisa. Só quero conversar com meu amor no telefone, tão lindo lendo em voz alta a matéria que está estudando... Ai ai... só queria estar com ele agora, mas esse é um outro caso a ser comentado em outra ocasião.

Espero que o dia de vocês tenha sido melhor que o meu....

terça-feira, 1 de maio de 2012

Adiós, feriado


Sexta-feira é um dia longo. Enquanto todos estão comemorando a chegada dela, eu estou arrancando os cabelos. Data-limite de entrega de relatório com duas aulas teóricas de manhã e uma prática de tarde. Chego em casa, como alguma coisa rapidinho e vou pra academia. Só chego em casa mesmo às 20h, tão morta que só quero saber de banho e cama. Do Sábado, sim, eu gosto. Acordo tarde, almoço com meu pai, assisto J-drama até começar a pensar em Japonês e estudo um pouco. Anti-social? Nah... apenas me divirto comigo mesma. 

Esse final de semana foi véspera de feriado, e fui com meus pais para o interior visitar minha vó paterna e meus parentes. Eu iria ter aproveitado a viagem imensamente mais se não fosse diabética. Minha vó faz uns bolinhos de sonho que prefiro nem lembrar muito deles pra não ficar deprimida. Além de tudo, faz o melhor pudim de leite condensado do mundo. Digo isso com lágrimas rolando. Há cinco anos não como pudim nem bolinho de sonho. Vida de diabético não é fácil, não! Ver aquele pudim com calda de caramelo na geladeira e não poder nem dar uma provadinha.... Você não pode ficar com pena de mim. Também não comeu o pudim da minha vó!! Apesar das desventuras gastronômicas, conheci os nenéns dos meus primos, tirei fotos nos pontos turísticos e até um tapete artesanal eu ganhei. Quem fez foi a minha tia, talentosíssima. O tapete ficou lindinho no meu quarto. 

Para evitar o trânsito nas estradas, voltamos na Segunda-feira. Dormi a viagem de volta inteira. Chegamos de tarde e, para variar um pouco, fiz exercícios e relatórios. De noite assisti mais alguns episódios de "Anego", e acabei indo dormir cedo, pois estava cansada. Hoje é o feriado em si, e mais descansei que produzi. Acordei relativamente cedo e fui ao clube com meus avós maternos. Foi só chegar lá que o sol fechou e começou a ventar. Tive que desfilar pela piscina com o roupão lilás com detalhes em cetim da minha vó para não congelar. Depois do almoço corri para casa, me enfiei em uma calça de moletom, meias felpudas e cobertas, deitei no sofá e assisti "Anego" até o meu amor me ligar. Ficamos uns bons minutos conversando e desligamos para estudar. Somos o casal mais estudioso do mundo! [Exceto pela parte que não somos].

Fato é que peguei o livro do "Chiavenato" e sentei a bunda na cadeira para estudar Administração. Não pretendo seguir a carreira de Nutricionista de Unidades de Alimentação e Nutrição, mas essa matéria é obrigatória, então vamos estudar



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...